Termo de referência – A atuação do Sebrae na Economia Criativa

Autoria: SEBRAE
Ano: 2012

O avanço das tecnologias evidenciado pela internet, pela computação móvel e pela difusão digital possibilitou a criação de novos produtos, novas formas de comunicação e compartilhamento de conteúdos. Dessa revolução, inicialmente compreendida como economia digital*, surgiram novos modelos de negócios e novas formas de competição por mercados, impulsionando a economia criativa – hoje, um assunto estratégico na pauta dos programas de modernização e desenvolvimento de muitos
países. No Brasil, o tema passou a contar com atenção especial de uma secretaria de Estado vinculada ao Ministério da Cultura – MinC, denominada Secretaria de Economia Criativa.

Na era do conhecimento, o talento e a criatividade constituem ativos intangíveis cada vez mais importantes no âmbito das empresas. Entretanto, produtores e empreendedores que atuam no mercado
dos negócios criativos no Brasil ainda precisam desenvolver a sustentabilidade de seus empreendimentos, adquirir independência dos recursos do estado, profi ssionalizar a gestão e buscar a longevidade de seus negócios.

O resultado do trabalho realizado em Brasília com a presença de representantes dos Sebrae Estaduais, em maio de 2012, definiu economia criativa como o conjunto de negócios intensivos em
conhecimento e baseados no capital intelectual, cultural e na criatividade, gerando valor econômico.
É neste contexto que o Sebrae propõe este termo de referência para direcionar a sua atuação nesta economia.