Relatório sobre os impactos econômicos da Covid-19 – Economia Criativa

Autoria: FGV
Ano: 2020

Apesar de contar com grandes empresas em todos os ramos de atuação e promover
muitos postos de trabalho em algumas áreas, o setor de Economia Criativa é composto,
em grande parte, por micro e pequenas empresas e profissionais autônomos
(formalizados ou não), em especial na área Cultural. Esses empreendedores, em
geral, não possuem capital de giro suficiente para suportar longos períodos sem
faturamento. Em um momento de crise, estas empresas não conseguem manter os
postos de trabalho nem os projetos em andamento, levando a uma grande paralização
do setor e a dificuldades inerentes à retomada das atividades.
Para tentar compreender que de forma o setor de economia criativa estava sendo
impactado pelas medidas de restrição adotadas no enfrentamento do COVID-19, a
FGV realizou uma pesquisa, no período de 20/05 a 09/06, no intuito de identificar
os principais impactos gerados pela crise e, principalmente, quais as medidas que
podem ajudar na retomada mais rápida dos diversos segmentos do setor de Economia
Criativa, quando da reabertura econômica prevista para os próximos meses.