BALANÇO DOS POSTOS DE TRABALHO NA ECONOMIA CRIATIVA – 2º TRIMESTRE DE 2021

Autoria: Itaú Cultural
Ano: 2021

O segundo trimestre do ano de 2021 demonstrou recuperação do emprego na economia criativa brasileira após um trimestre com queda em comparação com o final de 2020. Em relação ao mesmo período do ano passado, a economia criativa teve criação de pouco mais de 590 mil postos de trabalho, uma taxa de aumento de 9%. Já em comparação com o trimestre anterior (o primeiro de 2021), a taxa de aumento observada foi de 4% (adição de 258 mil postos de trabalho). O setor que mais apresentou variação positiva entre o primeiro e o segundo trimestres de 2021 foi o de trabalhadores especializados da cultura, ou seja, aqueles que atuam em setores criativos exercendo profissões nas áreas de atividades artesanais, artes cênicas e artes visuais, cinema, música, fotografia, rádio e TV e museus e patrimônio. Quando analisamos a evolução dos ocupados na economia criativa nos segundos trimestres desde 2019, percebemos que, apesar da recuperação recente, ao compararmos o segundo trimestre de 2020 para o segundo de 2021 – apresentando um aumento absoluto de 591.122, cerca de 9%, passando de 6.266.560, em 2020.2, para 6.857.682, em 2021.2 – o total de trabalhadores da economia criativa ainda não está no patamar de 2019.2, 6.958.484. Mais especificamente, a queda de 2019.2 para 2020.2 foi de -10%, enquanto de 2019.2 para 2021.2, a queda acumulada foi de -1%.