Artificial intelligence in the creative industries: a review

Autoria: Nantheera Anantrasirichai; David Bull
Ano: 2022

Este artigo analisa o estado atual da arte em tecnologias de inteligência artificial (IA) e suas aplicações no contexto das indústrias criativas. É fornecido um breve histórico sobre IA, e especificamente sobre algoritmos de aprendizado de máquina (ML), incluindo redes neurais convolucionais (CNNs), redes adversárias generativas (GANs), redes neurais recorrentes (RNNs) e aprendizado profundo por reforço (DRL). Classificamos as aplicações criativas em cinco grupos, relacionados à forma como as tecnologias de IA são utilizadas: (i) criação de conteúdo, (ii) análise de informações, (iii) aprimoramento de conteúdo e fluxos de trabalho de pós-produção, (iv) extração e aprimoramento de informações e (v) compressão de dados. Examinamos de forma crítica os sucessos e limitações dessa tecnologia em constante avanço em cada uma dessas áreas. Também fazemos uma diferenciação entre o uso de IA como ferramenta criativa e seu potencial como criador por si só. Preve-se que, em um futuro próximo, a IA baseada em ML será amplamente adotada como uma ferramenta ou assistente colaborativo para a criatividade. Por outro lado, observamos que os sucessos de ML em domínios com menos restrições, nos quais a IA é a “criadora”, ainda são modestos. O potencial da IA (ou de seus desenvolvedores) para ganhar prêmios por suas criações originais em competição com criativos humanos também é limitado com base nas tecnologias contemporâneas. Portanto, concluímos que, no contexto das indústrias criativas, o máximo benefício da IA será alcançado quando seu foco for centrado no humano – quando ela for projetada para ampliar, e não substituir, a criatividade humana.