A necessidade de Investimento Privado na Economia Criativa e a Colaboraê

Por Ju Moraes
e Thiciana Zaher

Falar de investimento em cultura no Brasil é um tema que afugenta os investidores que buscam retorno a curto prazo. Mas para os entusiastas que acreditam nela como um meio de transformação social e econômica, o tema vai muito além da paixão, atinge a sociedade como um todo.

É importante entender que não se pode falar em fomento a cultura sem pensar em um olhar para o cotidiano das pessoas ondem vivem. Nosso país é muito grande e precisa ser enxergado em suas particularidades. Cada região tem sua demanda e produz a sua própria história cultural, além de suas próprias (r)evoluções e dores que só serão desvendadas em campo. É necessário, não só contribuir para o desenvolvimento de novas artistas do cenário local, como também a formação de profissionais que movimentam e fazem parte da engrenagem cultural. Por exemplo, do que adianta se investir em artistas locais, sem investir em espaços culturais, em profissionais de backstage, na sua comunidade?! 

Outra questão é a enorme desigualdade racial e de gênero, ainda vivemos um ambiente de pouco acesso as pessoas pretas, LGBTQIAP+ e as mulheres. Não é possível falar de cultura sem diversidade, ela é a base para o seu desenvolvimento.

De acordo com o Ministério da Cultura, a economia da cultura e a das indústrias criativas movimentou em 2020 mais de 3% do PIB nacional, com um investimento maior e mais assertivo poderemos tem um crescimento exponencial do setor. Infelizmente, o estado não consegue dar conta de todas as demandas que a cultura possui, por isso, só com a ajuda do setor privado conseguiremos realmente criar uma rede sustentável que gera renda e desenvolvimento econômico para todo país.

Em Salvador, entendemos a necessidade de um espaço cultural multiuso que fosse guarda-chuva para os artistas e profissionais de backstage. 

Em 2019 fundamos essa casa criativa, cultural, multiplataforma e que fomenta a conexão e aprendizado. Um ambiente para a realização de projetos, formação e capacitação de pessoas, voltado para a economia criativa. No nosso espaço, podemos realizar um mundo de possibilidades, como eventos, cursos, palestras, além de termos um estúdio para gravações, galeria de arte e gastronomia.

Somos feitos de gente que acredita que só é bom quando for bom para todo mundo e nossa rede colaborativa tem em sua base artistas, produtores, incentivadores da arte e da cultura. Nosso espaço é um local de respeito e resistência para todos e através das nossas ações buscamos incentivar talentos, estimular criadores, formar profissionais, fomentar a indústria criativa sustentável e priorizamos nossas ações para aumentar a representatividade da mulher como protagonista nas mais diversas áreas da Cultura.

A nossa casa é a prova que a experiência cultural quando se multiplica, transforma a comunidade mudando vidas, gerando renda e fomentando o que existe de mais genuíno e diverso na cultura local. Nosso sonho agora é espalhar essa ideia pelo Brasil.

Ju Moraes
Brasilidade na alma e música da Bahia no coração. Cantora, compositora, apresentadora e empresária. Com diversos singles e discos lançados,  apresentou o Band Folia e junto com sua esposa e sócia Thiciana Zaher criou o Colaboraê, espaço colaborativo multiuso localizado no bairro do Rio Vermelho em Salvador, fomentando a cena artística local, novos artistas e proporcionando ao público um espaço agradável e seguro.
Thiciana Zaher
Thiciana Zaher tem 39 anos e é formada em administração de empresas. Ela mora na Bahia, no nordeste do Brasil, e adora viajar e explorar coisas novas. Ela sempre fez parte dos negócios da família e explorou diferentes ramos dentro da empresa, mas não se sentia encaixada na parte mais voltada para os negócios do grupo. Porém, quando surgiu a ideia do Instituto SEB e a participação no programa Liderança Ponte para o Investimento Social do Synergos, ela descobriu seu propósito. É vice-presidente do Instituto SEB e teve participação ativa em sua criação. Atualmente, ela apóia seus setores estratégico, tático e operacional. O Instituto SEB tem como foco o desenvolvimento humano e a educação inovadora de crianças e jovens, tornando-os protagonistas de uma sociedade mais sustentável. Por meio do Instituto, Thiciana lançou em 2017 o Projeto NAU, uma iniciativa que busca ampliar as oportunidades de trabalho para jovens.